Crise

Por causa dos ilusionistas é que hoje em dia muita gente acredita que poesia é truque...

Mario Quintana - Sapato Florido, 1948.

segunda-feira, 2 de abril de 2012

CORPOGRAFIA


No pátio do seu rosto
planto margaridas e rubis.
Quando chove,
colho sempre-vivas e zumbis.

No átrio do seu colo
cravo planícies e vulcões.
Quando anoitece,
acato planaltas emoções.

No prelo dos seus olhos
imprimo dúvidas e versos.
Quando amanhece,
amanso corpos perplexos.

No meio dos seus sonhos
espalho sais e certezas.
Quando acordamos,
amarro caras e surpresas.

Jairo De Britto, em "Dunas de Marfim"

Nenhum comentário:

Postar um comentário