Crise

Por causa dos ilusionistas é que hoje em dia muita gente acredita que poesia é truque...

Mario Quintana - Sapato Florido, 1948.

sexta-feira, 13 de março de 2015

ORAÇÃO DE INVERNO*



Quero viver
a puros e plenos pulmões.
Respirar sem temer
apuros nem desilusões.

Quero viver
savanas de caro inverno.
Aspirar ao impossível
tudo que sabe a eterno.

Quero viver
viúvo de más astúcias.
Abarcar aldeia e mundo
salva-vidas de alegrias!

Quero viver
avesso ao labirinto.
Alvejar roupas, seios e rio
com poemas em claro cio.

Quero viver
a Tudo derramar profundo.
Sempre alerta - em fértil
e vasto campo minado.

Quero reler
tudo que alheio à sorte
escrevo e ofereço à morte.
Tarefa rica em pretensão:

Talvez somente brinquedo;
talvez apenas vã Oração.



*Jairo De Britto, “Dunas de Marfim

segunda-feira, 2 de março de 2015

POEMAS MALDITOS*

Poemas malditos
são sempre escritos
como um vendaval
de verdades.

Poemas malditos
são sempre escritos
como vielas de voz única.

Poemas malditos
são sempre escritos
com suor e simplicidade.

Despidos de toda vaidade,
são aqueles, mundo afora,
escritos em qualquer Idade.

Livrai-nos pois os deuses
daqueles poemas mal ditos,
que desprezam verdades!

*Jairo De Britto,
in "Dunas de Marfim"